Insatisfação com gestão econômica de Temer puxa reprovação recorde

A impopularidade recorde de Michel Temer (MDB) se deve essencialmente à insatisfação com o desempenho do governo em geral e, em particular, na economia. A imagem pessoal do presidente e o desgaste causado por escândalos de corrupção que o envolvem são laterais, mostra pesquisa Datafolha.
Em levantamento realizado em 6 e 7 de junho, o instituto identificou que 82% da população considera a gestão Temer ruim ou péssima, 14%, regular e 3%, ótima e boa. É o pior desempenho de um presidente desde o início da série história, em 1989.
Depois de perguntar como avalia a gestão Temer, o Datafolha indagou o entrevistado sobre seus motivos, sem apresentar alternativas.
Entre aqueles que reprovam Temer, 51% citaram espontaneamente sua gestão na economia como razão para o descontentamento. Os aspectos mais criticados foram o desemprego (13%), os preços dos combustíveis (13%) e os impostos (10%).
Não aprovam o desempenho do presidente de forma geral 21%, alegando motivos como ele "não ter feito nada pelos pobres" (7%) e despreparo ou incompetência (5%).
Entre os entrevistados, 15% mencionaram corrupção e desonestidade como fundamentos da má avaliação, sendo que 7% classificaram Temer como corrupto ou ladrão. Os homens se incomodam mais com esses problemas (18%) do que as mulheres (12%).
A imagem do emedebista foi citada por 5% da totalidade dos entrevistados como base da reprovação. Em contraste com os atuais 82% de Temer, o governo Dilma Rousseff (PT) era considerado ruim e péssimo por 28% em junho de 2014, o que foi suficiente para a então presidente ser vaiada na Copa do Mundo, realizada no Brasil.
Dois anos depois, foi a vez de Temer, ainda interino, ser hostilizado na Olimpíada no Rio. 
Em meados de 2016, durante o processo de impeachment de Dilma, ele prometeu comandar a retomada da economia, mas acabou por frustrar expectativas.
Entre os 3% que disseram que a gestão Temer é boa ou ótima, 27% mencionaram seu desempenho na economia como razão para tanto.
O pente-fino na reprovação atual de Temer se choca com o discurso adotado pelo governo, segundo o qual a Lava Jato e o seu noticiário ofuscam avanços conquistados.
No dia seguinte à publicação da pesquisa Datafolha que mostrou a impopularidade recorde de Temer, o ministro Raul Jungmann (Segurança Pública) afirmou, na segunda-feira (11), que "vazamentos representam um assassinato civil e político do presidente".
Carlos Marun (Secretaria de Governo) disse que uma "conspiração asquerosa impede que a população associe à figura do presidente avanços altamente significativos".
Denunciado duas vezes pela Procuradoria-Geral da República durante o mandato, o emedebista é investigado por supostos recebimentos de propina e outras ilegalidades, as quais ele nega.
Mas são questões práticas, que afetam o dia a dia da população, que alavancam a insatisfação com o governo. 
Em sua pesquisa de campo, o Datafolha ouviu frases como a de uma mulher de 59 anos, no Rio de Janeiro, que reclamou da diminuição do poder de compra que o reajuste do salário mínimo abaixo da inflação causou em 2018.
"Para pessoas de baixa renda, está tudo péssimo. Eles [governo] não ajudam as pessoas que mais necessitam. O salário mínimo não acompanha o aumento dos produtos", protestou a entrevistada.​
A saúde pública, sempre mencionada pela população entre suas principais queixas, foi citada por 11% dos que reprovam o governo Temer. Para as mulheres, o problema é mais grave (14%) do que para os homens (8%).
Uma entrevistada de 47 anos reclamou, em Estiva Gerbi (SP), da "falta de remédios nos postos", disse que "a saúde está ruim" e emendou um descontentamento generalizado. "Falta emprego. Os preços nos mercados estão caros. Muitos impostos."
A greve dos caminhoneiros foi citada por 6% dos entrevistados como motivo para a reprovação de Temer.
A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. Foram ouvidas 2.824 pessoas de 16 anos ou mais, em 174 municípios no país.
  Agência Brasil

Escrito por Folha de Noticias SAJ

Seu Portal informativo, aqui você bem informado.