Bolsonaro ataca decisão para soltar Lula e diz que período é pior que o pré-1964

    Presidenciáveis reagiram neste domingo (8) à decisão pela soltura de Lula (PT). Mesmo preso, o ex-presidente lidera as pesquisas de intenção de voto para outubro, mas é considerado inelegível pela Lei da Ficha Limpa.
    Principal oponente, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) disse à Folha que a situação do país é "pior do que o período pré-1964" e que a determinação de soltura ajuda a criar clima de instabilidade que pode levar a uma ruptura.
    Ele criticou o aparelhamento de instituições e comparou a situação ao contexto do golpe militar. "Estamos, eu entendo, num período pior que o pré-1964. Porque a esquerda naquela época não estava tão aparelhada como está hoje."
    O juiz que deu a decisão favorável a Lula, Rogério Favreto, foi filiado ao PT por quase 20 anos, mas rechaçou insinuações de que o vínculo com o partido tenha o influenciado.
    Marina Silva (Rede) se manifestou em nota, defendendo observância às normas e regras processuais e dizendo que a atuação de um magistrado durante plantão judicial "não deveria provocar turbulências políticas" que ponham em xeque decisões colegiadas.
    Na mesma linha, Geraldo Alckmin (PSDB) afirmou que a Justiça deve ser fonte de equilíbrio, não de instabilidade.
    Para o tucano, se cumprida, a decisão "tumultuaria o processo político-eleitoral e aprofundaria o descrédito das instituições, fazendo o jogo dos inimigos da democracia".
    Pré-candidato do MDB ao Planalto, Henrique Meirelles, que foi ministro da Fazenda de Lula e de Michel Temer (MDB), também se disse "contra a politização da Justiça".
    Já presidenciáveis alinhados ao petista, como Guilherme Boulos (PSOL) e Manuela D'Ávila (PC do B), atacaram decisões judiciais que impediram o cumprimento da soltura e criticaram o juiz Sergio Moro.
    "Domingo da vergonha para as instituições brasileiras", afirmou Boulos. "Juiz de férias desrespeitando instância superior e polícia descumprindo ordem judicial para esperar outra. Partidarização escandalosa!" Ele elogiou Favreto pela "coragem de enfrentar os desmandos de Moro".
    Para Manuela, o juiz de primeira instância atentou gravemente contra o Estado de Direito ao se manifestar contra a libertação do ex-presidente. "Se ainda houver lei nesse país, Lula será solto", afirmou.
    Notícias relacionadas:
    TRF4 mandar soltar Lula ainda neste domingo (8)
    Moro determina que PF não cumpra ordem de soltura de Lula
    Em novo despacho, desembargador manda PF ignorar Moro e libertar Lula
    Urgente: relator do TRF4 revoga decisão que mandava soltar Lula
    Juiz do TRF-4 volta a determinar soltura de Lula no prazo máximo de 1 hora
    Presidente do TRF4 mantém Lula preso

     Por: Agência Brasil

    Escrito por Folha de Noticias SAJ

    Seu Portal informativo, aqui você bem informado.