Promotoria vai apurar se Crivella cometeu crime eleitoral e favoreceu evangélicos

O Ministério Público do Rio de Janeiro vai abrir investigações sobre reunião em que o prefeito do Rio, Marcelo
Crivella (PRB) apresenta candidato do partido ao cargo de deputado federal e oferece privilégios a líderes de igrejas evangélicas. A reunião aconteceu na quarta (4) no Palácio da Cidade, sede do gabinete do prefeito, e teve a participação de cerca de 250 pessoas. O MP vai apurar se houve crime eleitoral e tratamento privilegiado aos fiéis de determinado
segmento religioso.

Segundo áudios divulgados pelo jornal O Globo, Crivella apresentou aos presentes o pastor Rubens Teixeira, que vai disputar vaga de deputado federal no Rio pelo seu partido. Defendeu o voto em evangélicos para "dar jeito nessa pátria" e depois
ofereceu aos pastores ajuda para encaminhar fiéis a cirurgias e para agilizar processos de isenção da cobrança de IPTU das igrejas.

"Estamos fazendo o mutirão da catarata. Contratei 15 mil cirurgias até o final do ano. Então, se os irmãos tiverem alguém na igreja com problema de catarata, por favor falem com a Márcia", disse o prefeito. "É só conversar com a Márcia que ela vai anotar, vai encaminhar e daqui a uma semana ou duas eles estão operando", completou, para logo depois oferecer a facilidade também para cirurgias de varizes e vasectomia.

Ele se referia a Márcia da Rosa Pereira Nunes, funcionária do gabinete do prefeito. Segundo Crivella, ela é sua assessora há 15 anos e "conhece todos os diretores" das redes municipal e federal de saúde. "De tal maneira que ela me representa em todos esses setores", explicou.

Para resolver questões ligadas ao IPTU, ele solicitou que os presentes procurassem o "dr Milton", que, segundo O Globo, é um advogado que presta serviços jurídicos a entidades religiosas na prefeitura. "Tem pastores que estão com problemas de IPTU. Igreja não pode pagar IPTU.

Mesmo em caso de salão alugado. Mas se você não falar com o Dr Milton, seu processo vai demorar, demorar...", sugeriu.
"Nós temos que aproveitar que Deus nos deu a oportunidade de estar na prefeitura para esses processos andarem", completou o prefeito, que disse que os evangélicos não podem fugir ao "sacrifício" que é estar na política. "Só o povo evangélico pode mudar esse país. Entre nós não há corrupção", defendeu. "É esse Brasil evangélico que vai dar jeito nessa pátria."

O Ministério Público informou que o Centro de Apoio às Promotorias Eleitorais solicitou à Promotoria Eleitoral apuração dos fatos. O tema também será investigado pela Coordenação de Saúde do MP, para verificar se há irregularidades nas filas de cirurgias. A coordenação das Promotorias de Justiça e Cidadania analisa inquérito civil para analisar suspeita de tratamento diferenciado para segmento religioso, que é vedado pela Constituição e pode configurar improbidade administrativa.

"Ao pensar a administração pública desse jeito, o prefeito fere um dos princípios mais básicos da nossa República: a igualdade de direitos", acusou o vereador Tarcísio Motta (PSOL), pré-candidato ao governo do estado. O partido vai pedir o impeachment do prefeito. A prefeitura disse que vai colaborar com as investigações para provar que não há favorecimento a grupos religiosos.

Em uma rede social, Crivella disse que está sendo alvo de "preconceito religioso". "É comum que um gestor municipal receba líderes de diversas áreas da sociedade para ouvi-los de perto e apresentar soluções para as demandas daquele grupo", escreveu. No texto, ele diz que já fez mais de mil reuniões com representantes da sociedade. "É inadmissível que uma cidade como o Rio e Janeiro, em pleno desenvolvimento, sofra consequências de atitudes preconceituosas e de intolerância religiosa"

Por: Folhapress

Escrito por Folha de Noticias SAJ

Seu Portal informativo, aqui você bem informado.