Álvaro Dias diz que convidará Moro para o Ministério da Justiça


Com homenagens à Operação Lava Jato e à "República de Curitiba", o senador Álvaro Dias, 73, oficializou sua candidatura à Presidência por aclamação, na convenção nacional do Podemos, na manhã deste sábado (4). Em seu discurso, anunciou que, caso eleito, convidará o juiz federal Sergio Moro para comandar o Ministério da Justiça.
"[Moro] É o símbolo da esperança do nosso povo de reabilitar as instituições públicas destruídas pela incompetência e corrupção", afirmou.
A jornalistas, Dias disse que Moro não foi avisado sobre o convite. Por meio de sua assessoria de imprensa, o magistrado respondeu que não irá comentar.
A convenção foi realizada em Curitiba (PR), berço da Lava Jato e capital do estado que Dias governou por um mandato (1987-1991).
"Não anunciaria ninguém antecipadamente para compor nosso governo, mas queria prestar homenagem à República de Curitiba, onde nasce uma nova justiça no país", discursou o senador.
Reforçando a bandeira anticorrupção, central em sua candidatura, Dias também afirmou que assume o compromisso da defesa total da Lava Jato, para continuar a "limpar" o país.
"Vou convocar mais três juristas brasileiros, já os convidei e já aceitaram: Miguel Reale Jr, Modesto Carvalhosa e René Dotti. Estamos convocando uma seleção para derrotar a impunidade."
Ao longo de seu discurso, Dias repetiu o mantra da "refundação da República", prometendo um governo qualificado tecnicamente, sem balcão de negócios.
A candidatura do senador conseguiu apoio do PSC, do vice Paulo Rabello de Castro, do PRP e do PTC. Juntos, os quatro partidos somam cerca de 40 segundos de televisão (em cada bloco de 12 minutos e 30 segundos) e R$ 83 milhões do fundo partidário. A título de comparação, o MDB tem, sozinho, R$ 234 milhões.
Dias ainda conversa com outras siglas, como o PRTB, o Patriotas e o DC. Segundo o candidato, a falta de dinheiro não será um problema. "Não temos estruturas materiais, não temos dinheiro, mas temos fé na vida, fé em Deus", afirmou. Em seguida, citando Martin Luther King, disse: "Se não pode voar, corra. Se não pode correr, ande. Se não pode andar, rasteje".
Em seu discurso, o senador também acenou aos partidos da coligação e às mulheres, ressaltando que seu partido é comandado por uma (a deputada federal Renata Abreu). "Certamente as mulheres comandarão setores fundamentais do nosso governo. Serão essenciais na refundação da República", afirmou.
A campanha do senador transmitiu dois vídeos neste sábado, buscando consolidar a imagem de Dias como um candidato ficha limpa, trabalhador, de pulso firme, que abriu mão dos privilégios.
Sua experiência como governador do Paraná também foi reforçada nas peças publicitárias, com as mensagens de que o senador deixou dinheiro em caixa e que "privilegiou os funcionários públicos que realmente trabalharam". "Álvaro Dias, o Brasil levado a sério."
Em sua fala, Paulo Rabello de Castro (PSC), coordenador econômico da campanha e vice, fez promessas como crescimento de 5% ao ano e 10 milhões de empregos até 2022. "A república dos canalhas vai cair."  Por: Folhapress

Escrito por Folha de Noticias SAJ

Seu Portal informativo, aqui você bem informado.