Paciente de Dr. Bumbum morreu de embolia pulmonar, confirma laudo


    Um laudo do Instituto Médico Legal do Rio de Janeiro confirmou que embolia pulmonar —obstrução em uma artéria do pulmão— foi a causa da morte de Lilian Calixto, 46. A bancária morreu no último dia 15 após realizar um procedimento estético com o médico Denis César Barros Furtado, conhecido como Dr. Bumbum. 
    O perito apontou que havia micro partículas espalhadas pelo pulmão da paciente, impedindo a oxigenação do sangue, segundo a TV Globo. O laudo também indicou quadro de choque, com falência de órgãos como fígado e rim.
    O médico, que não tem registro para atuar no Rio nem formação em cirurgia plástica, já havia admitido em depoimento à polícia que havia injetado cerca de 300 ml de um produto chamado PMMA (polimetilmetacrilato, derivado do acrílico) no glúteo da paciente.
    De acordo com a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), o PMMA pode ser usado para corrigir rugas e restaurar pequenos volumes perdidos de tecidos com o envelhecimento, mas em pequenas quantidades.
    Nem a SBCP (Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica) nem a SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia) recomendam o uso do produto para fins estéticos. 
    Um outro laudo da Polícia Civil que também foi concluído reforça a acusação contra Denis Furtado. Peritos disseram ter encontrado vestígios de que sua cobertura na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, era usada para consultas e procedimentos estéticos, citando medicamentos na geladeira.
    MORTE APÓS PROCEDIMENTO
    A intervenção em Lilian ocorreu no dia 14, um sábado, e a paciente foi socorrida pelo próprio Denis Furtado, pela sua mãe, que teria atuado como auxiliar, e pela sua namorada, que afirma que trabalhava apenas como secretária. Os três aparecem nas imagens gravadas pelo circuito interno do Hospital Barra D’or.

    A bancária morava em Cuiabá e chegou ao Rio naquele final de semana apenas para realização da cirurgia estética. Segundo a unidade de saúde, ela estava em estado extremamente grave e mesmo após "manobras de recuperação", não foi possível reverter o quadro. Ela morreu duas horas após atendimento.
    Os três indiciados --o médico, a mãe Maria de Fátima Furtado e a namorada Renata Cirne-- estão presos temporariamente, suspeitos de homicídio doloso duplamente qualificado e associação criminosa.
    A técnica de enfermagem Rosilane Silva aguarda em liberdade.
    A defesa de Denis Furtado havia afirmado em entrevista coletiva concedida a jornalistas no dia 18 que julgar Furtado como culpado pela "fatalidade" ocorrida com a paciente é "precoce". Por: Folhapress

    Escrito por Folha de Noticias SAJ

    Seu Portal informativo, aqui você bem informado.