Eventual governo de Haddad deverá ter ampla aliança com partidos da atual base de Temer



Com a crescente ascensão de Fernando Haddad (PT) nas intenções de votos, ultrapassando Ciro Gomes (PDT) e se aproximando de Jair Bolsonaro (PT), o PT já discute mecanismos para garantir a governabilidade de um eventual governo do ex-prefeito de São Paulo. 

Segundo o colunista Cláudio Humberto, inclusive, o partido já negociaria em segredo uma aliança com o MDB com vistas ao segundo turno. Por sua vez, Haddad e o governador da Bahia, Rui Costa (PT), já defenderam o diálogo com o PSDB durante e depois das eleições. A sigla deixou o governo no fim do ano passado. 

O fato é que, após o impeachment de Dilma Rousseff e a prisão de Lula, o PT tentará se blindar de novas instabilidades caso reassuma o Palácio do Planalto. Para o historiador político da Universidade Federal da Bahia Carlos Zacarias, um eventual governo Haddad poderá ter um arco de alianças ainda maior do que os das gestões Lula e Dilma. 

“O atual quadro, caminhando para um segundo turno com Bolsonaro, pode obrigar as outras forças a se agrupar contra ele. A governabilidade será constituída nas mesmas bases dos governos anteriores”, avalia.
Atualmente, partidos como DEM, PR, SD, PP e PSD, se aglutinam em torno da candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB), que continua a patinar nas pesquisas e, ao que tudo indica, não chegará ao segundo turno. 


Para Zacarias, o novo governo encontrará um país politicamente dividido e terá o desafio de lidar com movimentos de rua.  “É possível que o próximo governo tenha de lidar com movimentos contrários e favoráveis de grande intensidade. A polarização da próxima eleição vai se manter. Já temos declarações de eventuais fraudes eleitorais. Isso foi legitimado por todos, tanto Bolsonaro quanto o PT”, pontua.

Além dos partidos de centro, as siglas de esquerda devem se unir em torno de Haddad. O PCdoB desistiu da candidatura de Manuela D’Ávila para ocupar a vice do petista. Há ainda o PDT e o PSB, bem como o PSOL, que se reaproximou do PT após o impeachment e a prisão de Lula. 
Reprodução Facebook

Escrito por Folha de Noticias SAJ

Seu Portal informativo, aqui você bem informado.