Marina diz que País não pode seguir o caminho dos extremos


A candidata da coligação Rede-PV, Marina Silva externou preocupação com o que classifica um momento político difícil pelo qual o País ultrapassa, onde candidaturas de direita e de esquerda "flertam" com o autoritarismo e apelou para que o País não siga caminhos extremos.
"Vamos usar a liberdade que temos não para votar pelo medo, mas votar para melhorar, unir e pacificar o Brasil. Eu estou pronta para unir o Brasil e pacificar o Brasil. É uma escolha dos brasileiros. O Brasil não pode cair nos extremos", disse Marina, durante ato de campanha neste domingo (30), na Avenida Paulista, centro financeiro de São Paulo. 
Acompanhada de seu vice, Eduardo Jorge, Marina lamentou os extremos nessa reta final da campanha e apelou para que o Brasil demonstre que não quer projetos autoritários, seja de um campo ou de outro.
"Sigo lutando para que a população escolha um caminho justo, de paz e bom para todos. As leis e as instituições têm de ser respeitadas e é por isso que estamos aqui, para dizer que não queremos nenhum retrocesso", reforçou.
Marina reiterou, conforme o Terra, o compromisso com a democracia, com o direito à livre manifestação de todos e defendeu uma nova governabilidade, "sem toma lá dá cá, sem autoritarismo".
A candidata rechaçou projetos de governo que se aproximam do governo venezuelano e as posições políticas do candidato Jair Bolsonaro (PSL) que, publicamente, já demonstrou seu desrespeito com mulheres, negros, índios e homossexuais.
Para Marina, esse é o momento de reafirmar os princípios democráticos. "Não podemos, em hipótese alguma, abrir mão da nossa liberdade. Não se troca liberdade por segurança. Em um país em que se troca liberdade por segurança, é o lugar mais difícil e mais perigoso que existe de se viver", completou.
Durante o ato, a candidata foi surpreendida pela homenagem espontânea de um grupo de forró que se apresentava na Avenida Paulista. Marina, que nesta campanha é sempre bem recebida pelo público em todos os lugares por onde passa, ouviu do grupo a canção "Asa Branca".
Em seguida, o cantor fez um breve discurso chamando o eleitorado à responsabilidade de votar em Marina. "Se jogar o voto fora, depois não precisa reclamar não", declarou o artista de rua.
Em retribuição, Marina declamou um trecho do cordel de Zé Vicente da Paraíba, "O Autor da Natureza", musicado por Alceu Valença.    Agência Brasil

Escrito por Folha de Noticias SAJ

Seu Portal informativo, aqui você bem informado.