"A polícia vai mirar na cabecinha e... fogo", diz governador eleito do Rio


O governador eleito do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), reafirmou que policiais que matarem quem portar fuzil não devem ser responsabilizados "em hipótese alguma". Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, ele disse que a autorização do "abate" não aumentará a letalidade do Estado.
“O correto é matar o bandido que está de fuzil. A polícia vai fazer o correto: vai mirar na cabecinha e... fogo! Para não ter erro”, afirmou.
"Se for um ato em confronto, em que o policial está acobertado por uma excludente de ilicitude, não é homicídio, é morte em combate. A excludente está no Código Penal desde 1940, Artigo 25. (Responsabilização) em hipótese alguma. É auto de resistência e arquivo. O ato é lícito", acrescentou.  BNews

Escrito por Folha de Noticias SAJ

Seu Portal informativo, aqui você bem informado.