Divisão de tarefas feita por Bolsonaro é vista como sintoma de desprestígio de Onyx


A sinalização de Jair Bolsonaro (PSL) de que seu futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM), terá de compartilhar atribuições com outros nomes de confiança do presidente eleito foram encarados como sintomas de desprestígio no Congresso. 
Nesta terça-feira (27), Bolsonaro confirmou que a articulação política também ficará com o general Santos Cruz (Secretaria de Governo), ampliando a sensação de que o democrata terá pouca autonomia. A informação é da coluna Painel, do jornal Folha de S.Paulo.  /
 /Folhapress

Escrito por Folha de Noticias SAJ

Seu Portal informativo, aqui você bem informado.