Ídolo de Bolsonaro, Duque de Caxias tem aura ambígua


Um busto dourado de Duque de Caxias recebe aqueles que visitam o panteão dedicado ao mais celebrado dos militares brasileiros. Passada a primeira sala do monumento, no centro do Rio, o visitante pode observar o túmulo de mármore branco com os restos mortais de Luiz Alves de Lima e Silva (1803-1880), escolhido como o patrono do Exército em 1962.
Ali, há uma reprodução de "A Batalha do Avaí", do pintor Pedro Américo —o original está no Museu de Belas Artes, também no Rio. 
Na pintura sobre um dos principais conflitos da Guerra do Paraguai, Caxias aparece montado em um cavalo branco e demonstra sobriedade ao orientar um militar ao seu lado, mesmo tendo ao redor brasileiros e paraguaios se engalfinhando em uma disputa sangrenta.
Nos traços de Américo, Caxias surgia como herói, mas Lima e Silva não gostou. "Desejava saber onde o pintor me viu de farda desabotoada; nem no meu quarto!", disse ele, segundo a historiadora Lilia Schwarcz em livro a respeito da famosa pintura.
É esse homem do século 19, simbolizado tanto pela bravura quanto pela extrema disciplina, que o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), exalta há décadas. Os elogios ganharam visibilidade depois do triunfo do deputado federal no segundo turno, em 28 de outubro.
Naquele domingo, após a confirmação da vitória, Bolsonaro disse: "Não sou Caxias, mas sigo o exemplo desse grande herói brasileiro. Vamos pacificar o Brasil e, sob a Constituição e as leis, vamos construir uma grande nação". 
Uma semana depois, voltou a mencionar seu ídolo. "Queremos, sim, usando o meu lado militar, seguir os passos de Caxias, o pacificador."
Para o historiador José Murilo de Carvalho, autor de "Forças Armadas e Política no Brasil" (ed. Zahar), não é difícil explicar a recorrência das citações. "Bolsonaro foi militar, Caxias é o patrono do Exército e figura nacional respeitada por todos. Virou até sinônimo de pessoa dedicada e respeitadora da ordem. Citá-lo só atrai simpatias", diz.
O fluminense Lima e Silva se notabilizou como militar ainda jovem. Em 1822, com a independência do Brasil, ingressou no Batalhão do Imperador, um espécie de tropa de elite do Primeiro Reinado. Tinha então 19 anos.
Depois da abdicação de dom Pedro 1º, em 1831, os conflitos se difundiram pelo país. Segundo Carvalho, foram ao menos 22 revoltas de grande porte entre 1831 e 1848.
Lima e Silva comandou a repressão de alguns dos maiores desses movimentos de insurreição, como a Balaiada (1838 a 1841), no Maranhão; a revolta liberal de São Paulo (1842); e a Revolução Farroupilha (1835 a 1845), no Rio Grande do Sul.
Entre essas ações, a historiadora Adriana Barreto de Souza, autora de "Duque de Caxias - O Homem por Trás do Monumento" (ed. Civilização Brasileira), ressalta a participação dele na Balaiada.
Como ela lembra, esse foi um movimento que, em sua fase inicial, uniu fazendeiros, caboclos e quilombolas, um arranjo que deixou a elite da corte imperial indignada.
A vitória sobre os balaios rendeu a Lima e Silva a promoção a general. Também vem dessa época a alcunha de "pacificador". Para homenageá-lo, Gonçalves de Magalhães, que havia sido secretário de governo no Maranhão, escreveu "Ode ao Pacificador".
A maior glória veio na Guerra do Paraguai, que se estendeu de 1864 a 1870. Lima e Silva assumiu a liderança das tropas brasileiras em 1866 e, dois anos depois, passou a comandar as forças aliadas —Brasil, Argentina e Uruguai se uniram para enfrentar o Paraguai. 
"Caxias era, antes de tudo, um estrategista. Mas, uma vez em combate, não hesitava [em atuar no campo de guerra]", diz Carvalho. Para o historiador, um episódio que simboliza bem sua bravura é a batalha de Itororó, em 1868.
Uma ponte estreita sobre o rio Itororó estava sob a mira do Exército paraguaio, levando à morte os soldados brasileiros que tentavam atravessá-la, até que o comandante, aos 65 anos, tomou a frente do combate, conquistando a área.
Segundo o engenheiro militar Dionísio Cerqueira, presente no conflito, foi nesse momento que Caxias disse a célebre frase: "Sigam-me os que forem brasileiros".
Caxias liderou as tropas até dominar Assunção, em janeiro de 1869. Ao voltar ao Brasil, ganhou o título de duque, o mais alto da nobreza brasileira —durante o período imperial, foi a única pessoa a receber a honraria.  /Folhapress

Escrito por Folha de Noticias SAJ

Seu Portal informativo, aqui você bem informado.