Mulher é detida suspeita de fraude em fundo de previdência em Salvador


Uma mulher foi autuada em flagrante, nesta segunda-feira (12), suspeita de usar de falsidade ideológica para receber pensão paga pelo Fundo Municipal de Previdência do Servidor (Fumpres) a uma pensionista que faleceu em 2007.
Segundo a prefeitura, Érica de Jesus Nascimento, que se passou por parente da pensionista Maria Gertudes Souza Teixeira, foi à Diretoria de Previdência, em Nazaré, para tentar requerer o benefício que está suspenso desde agosto deste ano. São quase R$ 160 mil de prejuízos por conta da irregularidade.
Maria Gertudes era beneficiária na condição de cônjuge do servidor aposentado Agenor José Teixeira, que morreu em 1992. O óbito dela foi constatado após uma auditoria realizada pela Diretoria de Previdência, pertencente à Secretaria Municipal de Gestão (Semge) há três meses.
A Semge identificou que houve um recadastramento obrigatório realizado de forma presencial, em dezembro de 2017.  Mas, a morte da beneficiária foi confirmada após visitas técnicas ao endereço registrado no recadastramento e depois de a Prefeitura obter a certidão de óbito encaminhada pelo Cartório de Registro Civil de Pessoas do Paço (Pelourinho).
Desconfiado da possibilidade de ter havido fraude, a administração municipal determinou a exclusão do pagamento de pensão. Na quarta-feira (7), Érica foi à Diretoria e se identificou como filha de criação e, posteriormente, como neta de Maria Gertudes, acompanhada de outra mulher que se passou pela beneficiária, as duas foram direcionadas à unidade de Serviço Social, onde passaram por uma entrevista.
Durante a conversa, a mulher que se passou por “Maria” foi questionada quanto ao nome do marido e onde ele havia trabalhado na Prefeitura. A entrevistada afirmou não se recordar e nem mesmo soube informar o prenome do marido. Ela também não soube dizer o nome da rua e nem mesmo o bairro em que reside atualmente.
No final da semana passada, a Semge encaminhou notícia-crime à Polícia Civil, informado “ser consistentes os indícios de fraude e cometimento de atos ilícitos, tais como falsidade ideológica e falsificação de documento público”.
Érica foi levada para Central de Flagrantes da Polícia Civil, na Avenida ACM, pela Guarda Civil Municipal.  Por: Divulgação/Prefeitura de Salvador

Escrito por Folha de Noticias SAJ

Seu Portal informativo, aqui você bem informado.