Rejeitado pelo torcedor, Ricardo David não renuncia e afirma: "O torcedor tem razão em duvidar da minha credibilidade"


Na tarde desta terça-feira (27), o presidente do Vitória, Ricardo David, concedeu uma entrevista coletiva onde abordou diversos temas, principalmente sobre o rebaixamento do clube para a Série B do Campeonato Brasileiro. O mandatário respondeu questionamentos sobre os erros cometidos na temporada de 2018, planejamento para 2019, e até mesmo sobre os pedidos de destituição do cargo. Confira abaixo alguns dos principais trechos da entrevista:
Atletas já liberados:
“Já foram liberados hoje André Lima, Aderllan, Arouca, Bryan, Lucas, Rhayner e Walisson Maia. A partir de domingo outros atletas não renovarão. Depois vamos conversar individualmente com os que ficarão para que eles entendam o desafio".

Sub-23 no Baiano:
"Iniciaremos o Campeonato Baiano com o Sub-23. Eles já estão de férias e voltarão ao comando de João Burse".

Dificuldades financeiras em 2019:
"Teremos uma redução drástica no nosso orçamento. Estamos indo amanhã à Globo e à CBF para negociar, como um clube de Série B, as nossas participações financeiras para o ano que vem. Vamos compatibilizar as receitas garantidas. Patrocínio, vamos negociar com a Caixa, vamos à CBF e à Globo para definir a cota. Nosso diretor de Marketing já teve reunião com dois patrocinadores pra negociar a renovação de contrato. Primeiro vamos garantir o que já temos”.

Possibilidade de renúncia:
"Eu vou continuar. Fui eleito democraticamente. Me adequei a esse regime democrático. Quem quiser assumir o ECV, que se adeque também. É impossível você ter quatro presidentes num mandato que era pra um só. A instituição não suporta. Será muito mais difícil se chegar alguém novo. As pessoas mais adequadas neste momento somos nós, que entendemos o EC Vitória. A gente aprendeu com alguns erros. vamos errar ainda, mas a probabilidade é de errar menos".

Sobre ajuda de ex-presidentes:
"Alguns deles já tem experiência de cair pra Série B. Isso é importante pra mim, adquirir deles essa experiência. Na história do Vitória, outros presidentes caíram e não foram destituídos. Estaremos mais abertos do que estivemos".

Sobre as mudanças de técnico no ano:
"A mudança de treinador não foi um erro. Foi uma necessidade. Nos dois casos foi uma unanimidade, não havia resposta em campo. Fiz pra dar um dinamismo que o grupo precisava".

Treinadores para 2019:
"Um dos maiores erros de clubes que disputam a Série A e já jogaram a Série B, como o Vitória, é querer dar o mesmo tratamento para as duas divisões. Não faremos isso. Todo treinador que você analisar que teve sucesso em Série B... Treinadores como Marcelo Cabo, Kleina, serão alvos sim da nossa análise”.

Avaliação do elenco de 2018:
"Esse elenco levou o Vitória à Série B. Não posso estar satisfeito. Erros ocorreram. Alguns são conhecidos, como a falta do famoso meia de criação. São atitudes que aprendemos. às vezes o estilo do treinador não comporta, mas o clube precisa".

Sobre os atletas caros que têm contrato para 2019:
"Atletas mais caros são atletas que têm mercado. Eles serão chamados a conversar, se têm interesse de permanecer, a devida consciência da responsabilidade. Não sentindo isso, eu vou entender e vou criar as condições para que isso (a saída) ocorra".

Como o torcedor pode confiar nele?
"Como todo gestor, erro e acerto. Tem erros? Tem. Mas também tem acertos. Eu diria que o torcedor tem razão em duvidar da minha credibilidade, mas nós estamos numa instituição que tem regras democráticas".

Situações de Lucas Ribeiro e João Gabriel:
"Lucas é uma joia. Ele tem um talento nato. Não temos nenhuma proposta por ele. tem sondagens, mas negócio tem que ser na mesa, algo concreto. João faz parte de um grupo de atletas que certamente faremos alguma negociação para sua permanência".

Centro de Inteligência:
"Eles estão mais acostumados a me trazerem uma série de informações e ouvirem: não. Não quero imputar ao CI nenhuma responsabilidade por nenhuma contratação. Nosso CI está me produzindo uma quantidade de informações razoável e não é deles a responsabilidade".

Permanência de Jorge Macedo:
"Eu o contratei até o final do meu mandato. Jorge permanece no cargo. Ele teve a oportunidade de conviver com o Inter na Série B. Ele tem me dado boas lições do que não deve ser praticado na Série B".

Elenco para 2019:
"Temos uma responsabilidade gigantesca com a Copa do Brasil e a Copa do Nordeste. Precisamos estar competitivos nelas. Os atletas têm que vir com a pegada de competitivos em mata-mata. Não vamos esperar a chegada do treinador para contratar".

Insatisfação do elenco com Carpegiani:
"Enquanto tiver jogadores e treinador, isso vai acontecer sempre. O que temos que fazer é administrar isso. Temos que estar perto para que isso não contamine o grupo. Isso acontece em qualquer clube. Houve insatisfações, claro que houve".

Se surgir proposta por Lucas Ribeiro, ele pode sair?
"Pode. Claro. Não vou negar. Não só com Lucas, como qualquer outro. Principalmente Lucas. Existe um potencial, já foi convocado... Não vamos aceitar qualquer proposta, mas não vamos impedir o atleta de crescer".

Trabalho de Jorge Macedo
"Caiu pra Série B, tá todo mundo reprovado. 99% das decisões que tomamos foi em conjunto. Não foi ele quem trouxe as contratações. Jorge hoje conhece muito mais do ECV do que quando chegou. Os erros que ele tenha cometido, agora a probabilidade é menor".

Atletas argentinos (Meli, Benítez e Bou):
"Esses jogadores da Argentina vieram para jogar no Brasil, num time de Série A... Serão chamados para conversar, saber se permanece o grau de motivação. Um cenário que vai exigir entrega. Se não acharmos que são adequados, vamos envolvê-los em alguma negociação".

Relação com o Conselho Deliberativo:
"Esse foi mais um dos erros nossos. A gente deveria ter estado mais perto do Conselho. É uma instituição máxima do clube. Poderia ter tido uma relação melhor e isso se deve a mim".  Galáticos Online
 

Escrito por Folha de Noticias SAJ

Seu Portal informativo, aqui você bem informado.