Procuradoria quer saber a origem dos R$ 29 milhões da fiança do herdeiro da OAS


O Ministério Público Federal quer saber de onde veio o dinheiro que pagou a fiança de R$ 28,9 milhões que permitiu que César Mata Pires Filho, herdeiro da empreiteira OAS, saísse da prisão.
Mata Pires Filho se entregou à Polícia Federal na madrugada de domingo para a segunda-feira (26) na Operação Sem Fundo, fase da Lava Jato que investiga fraudes e corrupção na construção da Torre Pituba, sede da Petrobras na Bahia.
O empreendimento foi feito com dinheiro da Petros, fundo de pensão dos funcionários da Petrobras, e realizado pelas empreiteiras OAS e Odebrecht.
Delações de ex-funcionários do setor de propina da OAS forneceram informações aos investigadores sobre como aconteceram os pagamentos de suborno a agentes públicos, a pessoas ligadas ao PT e a dirigentes da Petros.
Três dos delatores da OAS afirmam que o herdeiro da companhia participou de reuniões e deu autorização para pagamentos de propina.
O depósito dos R$ 28,9 milhões da fiança foi feito na terça (4). A Procuradoria pediu informações à defesa do empreiteiro porque as contas de Mata Pires Filho foram bloqueadas pela Justiça e não apresentavam saldo suficiente para o pagamento.
O Ministerio Público Federal pediu que César Mata Pires Filho seja "intimado a esclarecer a origem dos valores depositados a título de fiança, carreando aos autos a documentação comprobatória respectiva".
"Ao tempo em que manifesta ciência do depósito de R$ 28.917.695,00, efetuado pelo investigado César de Araújo Mata Pires Filho no evento 307, e diante do extrato BACENJUD juntado no evento 302, BACENJUD1, que demonstra terem sido bloqueados, no dia 29/11/2018, nas contas bancárias do referido investigado o saldo de apenas R$ 359.975,15."
A defesa de César Mata Pires Filho foi procurada pela reportagem, mas ainda não se manifestou. (Folhapress)

Escrito por Folha de Noticias SAJ

Seu Portal informativo, aqui você bem informado.