Hacker invade celular de Moro, usa aplicativos e troca mensagens por seis horas


    Um hacker invadiu o celular do ministro Sergio Moro (Justiça) nesta terça-feira (4).
    O ex-juiz federal teve de cancelar a linha. A Polícia Federal investiga o caso. O setor de tecnologia da pasta também foi acionado para ajudar a apurar de onde o ataque partiu.
    O autor da invasão ficou por cerca de seis horas utilizando aplicativos de mensagens de Moro. O ministro recebeu uma ligação por volta das 18h, do seu próprio número, o que estranhou. Ele atendeu, mas não havia ninguém do outro lado da linha.
    Em seguida, foi informado de mensagens que estavam sendo trocadas pelo Telegram. O hacker usou o aplicativo até pelo menos 1h da manhã.
    Essa não é a primeira vez que um ministro tem o celular invadido. No ano passado, ainda no governo de Michel Temer, os ex-ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Carlos Marun (Secretaria de Governo) também foram vítimas de golpes cibernéticos semelhantes. 
    Naquele caso, estelionatários enviaram mensagens dos celulares de ambos pedindo empréstimos. 
    Em março de 2018, pessoas que estavam na lista de contatos dos ministros passaram a receber mensagens, supostamente escritas por eles, para pedir depósitos de dinheiro numa conta bancária do Banco do Brasil em São Luís, no Maranhão. Ao saber do golpe, os ministros trocaram de telefone e o BB bloqueou a conta.
    Em julho, duas pessoas foram presas sob suspeita de participarem do golpe.
    Segurança do Presidente
    A invasão ao celular de Moro reacende a polêmica sobre a segurança cibernética do presidente Jair Bolsonaro (PSL), que costuma usar o aplicativo WhatsApp para tratar de assuntos de governo. 
    O aplicativo é acessado por Bolsonaro de um aparelho celular comum, já que não é possível fazê-lo do telefone criptografado fornecido pela Abin (Agência Brasileira de Inteligência).
    O dispositivo, chamado TCS (Terminal de Comunicação Segura), é entregue aos mandatários do país para que eles o utilizem para tratar de assuntos de interesse público.
    O aparelho só permite a comunicação criptografada com outros aparelhos similares e não possibilita a instalação de aplicativos como WhatsApp, Twitter e Instagram, que são bastante acessados por Bolsonaro. O Twitter, por exemplo, é frequentemente utilizado pelo presidente para fazer anúncios oficiais.
    O uso da tecnologia é visto com reserva por integrantes do setor de inteligência do Palácio do Planalto.
    Para eles, apesar de ser prático, o aplicativo de mensagens não é seguro o suficiente para garantir o sigilo absoluto das informações compartilhadas.
    O receio maior é de que o presidente se descuide e possa vir a utilizar a aplicação em despachos com a equipe ministerial, trocando informações sensíveis que possam colocar em risco a sua própria segurança ou mesmo que prejudiquem iniciativas do governo.
    Segundo assessores do presidente, porém, que Bolsonaro tem evitado compartilhar conteúdo confidencial pelo WhatsApp. Por: Agência Brasil

    Escrito por folha

    Seu Portal informativo, aqui você bem informado.



      Comentário do Google+
      Cometários do Facebook

    0 comments:

    Post a Comment