Targino ataca gestão de Coronel na AL-BA; senador rebate


    As contas na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) continuam sendo alvo de críticas da oposição. Nesta quarta-feira (31), o deputado estadual Targino Machado (DEM) decidiu soltar o verbo contra a gestão do ex-presidente da Casa, atual senador, Angelo Coronel (PSD). Ele denuncia que a “herança maldita deixada pelo pessedista”, pode fazer com que falte “recursos para custeio da máquina”. Ao BNews, Coronel negou que tenha deixado rombo milionário e reiterou que fez “uma gestão das mais austeras da história da Assembleia”. 
    Conforme Targino, líder da oposição na AL-BA, apesar dos esforços empreendidos pelo atual presidente, o deputado Nelson Leal (PP), para sanear as finanças, continua Targino, o buraco das contas é abismal. “A situação é caótica, com indenizações de funcionários no prego, despesas sendo pagas em doses homeopáticas com risco iminente de faltar recursos para pagamento de pessoal, isso muito em breve. A herança foi maldita”, disse. 
    Segundo o oposicionista, “isto em função da administração imprudente do ex-presidente Angelo Coronel, aliás, único presidente do Legislativo estadual a trilhar o caminho do descompasso administrativo, promovendo uma verdadeira gastança com os recursos públicos, a ferir de morte o orçamento da Alba”, disparou. 
    Ao tomar ciência da crítica de Targino Machado, Coronel rebateu. “Quem tem q falar se existe déficit orçamentário e o valor para 2019 é o atual presidente Nelson Leal que conhece bem o orçamento da ALBA já que foi o relator das últimas gestões. Fiz uma gestão das mais austeras da história da Assembleia”. 
    O senador apontou, no entanto, alguns gastos que ocorreram fora do orçamento previsto. “Ao meu ver o único item fora do previsto foi a aprovação do “Plano de Cargos e Salários dos servidores efetivos e aposentados, que ganhavam salários aviltantes. Fizemos questão de dar dignidade aos servidores da AL-BA”, disse. 
    Coronel citou ainda o acordo feito com o sindicato para evitar que a AL-BA fosse executada em R$2 bilhões, fruto de ação antiga, já em fase de execução. “O acordo foi efetivado judicialmente por R$600 milhões para pagar aos funcionários em 15 anos com isso a Casa e o próprio governo deixará de pagar esse elevado débito gerado antes da minha gestão”, explicou. 
    O ex-presidente se defendeu das acusações de má gestão. “Tenho a consciência tranquila dos meus atos e a aprovação popular da minha gestão, principalmente pelas ações sociais desenvolvidas, sem dinheiro público, jamais visto na história da Casa. Ressalto que o déficit orçamentário de qualquer dos poderes sempre foi negociado no final do exercício com o Executivo e nunca teve problemas de fechamento das contas, não deverá ter esse ano”, completou. 
    Em junho deste ano, durante entrevista ao BNews, o presidente da Casa confirmou o déficit de R$159 milhões. O orçamento de 2018 foi de R$697 milhões e o deste ano R$625 mi, ou seja, a AL-BA já iniciou com R$72 milhões de déficit em cima do valor executado ano passado. /BN

    Escrito por folha

    Seu Portal informativo, aqui você bem informado.



      Comentário do Google+
      Cometários do Facebook

    0 comments:

    Post a Comment