Itamaraty veta livro com prefácio escrito por desafeto de Ernesto Araújo

    Agência Brasil 


    O Itamaraty se recusou a publicar um livro de um dos maiores historiadores da diplomacia brasileira porque o prefácio foi escrito por um desafeto do chanceler Ernesto Araújo.
    O embaixador Synesio Sampaio Goes Filho foi incumbido pela Funag (Fundação Alexandre de Gusmão), braço cultural e pedagógico do ministério, de escrever a biografia de Alexandre de Gusmão, que batiza a fundação.
    Gusmão, conhecido como "avô da diplomacia brasileira", foi um diplomata com papel crucial nas negociações do Tratado de Madri (1750), que determinou os limites territoriais das colônias portuguesas e espanholas na América do Sul.
    Em julho deste ano, quando entregou à diretoria da Funag os originais de "Alexandre de Gusmão (1695-1753): O Estadista que Desenhou o Mapa do Brasil", Goes Filho foi informado de que o livro só seria publicado se ele retirasse o prefácio escrito por Rubens Ricupero, ex-embaixador em Washington e também historiador da diplomacia.
    Ricupero já fez muitas críticas ao chanceler e aos rumos da política externa no governo Bolsonaro.
    Para Goes Filho, trata-se de censura. "Isso é censura, obscurantismo; desse jeito nenhum embaixador de prestígio vai poder publicar", disse à Folha.
    O prefácio escrito por Ricupero tratava exclusivamente da trajetória de Gusmão.
    "É um assunto do século 18, e o autor foi vetado porque critica o ministro, não pelo que escreveu", disse Goes Filho. "E o Itamaraty fica, perto dos 200 anos da Independência, sem um texto sobre o estadista."
    O Itamaraty afirmou que o livro havia sido aprovado pelo conselho editorial da Funag sem o prefácio de Ricupero, e que Goes Filho apresentou o texto apenas posteriormente.
    "Obviamente achei que só iria enriquecer a obra, afinal Ricupero é autor de grandes livros sobre a história da diplomacia, como 'A Diplomacia na Construção do Brasil (1750-2016)'." 
    Entre as atribuições da Funag estão "apoiar a preservação da memória diplomática do Brasil" e a "edição e reedição de livros sobre história diplomática do Brasil, política externa brasileira e temas de relações internacionais relevantes para a diplomacia brasileira". 
    Goes Filho é autor de "Navegantes, Bandeirantes, Diplomatas: um Ensaio sobre a Formação das Fronteiras do Brasil (2001)", livro que é um dos mais vendidos da Funag e considerado leitura essencial para diplomatas. 
    A tendência de ideologização do Itamaraty começou nos governos do PT. Sob Lula e Dilma, diplomatas que não se alinhavam à ideologia petista foram escanteados, e privilegiaram-se temas como integração com países do hemisfério Sul e reforma das instituições multilaterais em detrimento da relação com os Estados Unidos, por exemplo.
    No entanto, segundo fontes diplomáticas ouvidas pela Folha, a ideologização foi exacerbada durante o governo Bolsonaro, com diversos nomes e tópicos vetados, e ênfase em temas controversos como o globalismo.
    A próxima conferência a ser realizada pela Funag, por exemplo, é "Política Educacional Globalista", proferida por Charlotte Thomson Iserbyt.
    Ela é autora do livro "The Deliberate Dumbing Down of America" (a idiotização proposital da América, em português).
    Segundo o prefácio da obra, escrito por Sam Blumenfeld, o livro revela as mudanças realizadas no sistema educacional americano para "reduzir a influência dos pais das crianças (religião, moral, patriotismo) e transformá-las em membros do proletariado em preparação para um mundo socialista coletivista no futuro".
     

    Escrito por folha

    Seu Portal informativo, aqui você bem informado.



      Comentário do Google+
      Cometários do Facebook

    0 comments:

    Post a Comment