Rui se distancia de disputa pelo comando do PT na Bahia, não debate nomes e quer consenso


    Não é recente a reclamação de petistas sobre o distanciamento do governador Rui Costa (PT) nas decisões e do convívio do PT baiano. Os filiados da sigla, em setembro, vão as urnas escolherem os presidentes estadual e os municipais da legenda e passa por um processo de articulação de lideranças com participação direta de vários caciques. A nível de Bahia, batem chapa para presidência o assessor do senador Jaques Wagner (PT), Éden Valadares, e o deputado estadual Jacó (PT).  Questionado sobre o processo eleitoral, o petista deu o tom de distanciamento do momento. “Eu não pretendo entrar no debate de nome, sempre vou opinar pelo consenso”, disse nesta quarta-feira (14).
    Informações de bastidores apuradas pelo BNews apontam para uma tentativa, no início do processo eleitoral, da busca do consenso por um nome. A ação foi empreendida, principalmente, pelo senador Jaques Wagner (PT) ao apadrinhar o nome de Éden após diálogos, porém, o ex-governador foi o único a se manter rente em toda a ação e a ausência de Rui no contexto é lembrada.
    Ainda na conversa com jornalistas, Rui também pontuou uma autocrítica. “Eu acho que é o momento de reconstrução do partido, de repensar o partido, repensar enquanto filosofia, linguagem, prioridades e ações para que a gente responda. O Brasil hoje é diferente da década de 70 e 80. O Brasil tá diferente com novos desafios. A sociedade mudou e o partido precisa voltar em alguns princípios a sua origem: de capilaridade, de núcleos e modernizar a proposta”./ BNews 


    Escrito por folha

    Seu Portal informativo, aqui você bem informado.



      Comentário do Google+
      Cometários do Facebook

    0 comments:

    Post a Comment