Candidatos a Rei Momo de Salvador acionam o MP-BA: ‘resultado obscuro’



    Candidatos a Rei Momo de Salvador acionaram o Ministério Público da Bahia (MP-BA), nesta sexta-feira (14), contra a organização do concurso. Eles reclamam sobre a “falta de transparência” na pontuação distribuída entre os participantes e as análises dos jurados, que não teriam cumprido o regulamento.
    “O candidato que ganhou leu um papel ao invés de falar espontaneamente durante o discurso. Além disso, todos tinham que entregar um pen drive com a música da apresentação, mas ele pediu para se apresentar com a banda ao vivo. Ele sensibilizou o júri dizendo que estava em sua 10ª tentativa de ganhar o concurso em Salvador, mas ele não atendeu a nenhum requisito presente no regulamento”, afirmou Renildo Barbosa, que foi escolhido como guardião do Rei junto com o candidato Alan Nery.
    Segundo Barbosa, diferente dos anos anteriores, os guardiões não receberão nenhum prêmio em dinheiro. Na avaliação dele, há uma “nuvem pesada sobre o resultado e informações desencontradas”. Por isso, ele e outros três candidatos decidiram recorrer ao Ministério Público. O objetivo é que a Federação das Entidades Carnavalescas e Culturais da Bahia apresente as notas para que possam ser analisadas ou decrete todos os participantes como Reis Momos.
    Barbosa disse que, antes de entrar com a queixa no MP, pediu à Federação o acesso às notas e os nomes dos jurados, que teriam sido negados. “O processo de seleção foi muito atrapalhado, está tudo muito obscuro, alguma coisa não está colando bem”, criticou o candidato.
    Nesta segunda-feira (17), às 10h, os quatro candidatos que solicitaram apuração se reunirão no Ministério Público para serem ouvidos pelo Grupo de Atuação Especial de Defesa do Patrimônio Público e da Moralidade Administrativa.
    A reportagem procurou os organizadores do concurso, mas não obteve sucesso. /Por: Reprodução/ Instagram  Por: Márcia Guimarães
     

    Escrito por folha

    Seu Portal informativo, aqui você bem informado.



      Comentário do Google+
      Cometários do Facebook

    0 comments:

    Post a Comment