STJ nega pedido de liberdade ao ex-deputado Eduardo Cunha


    O Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou um pedido de liberdade feito pelo ex-deputado Eduardo Cunha. O habeas corpus buscava a revogação da prisão preventiva decretada em 2017, no âmbito da Operação Lava Jato.
    De acordo com a defesa do ex-presidente da Câmara, a medida não é mais justificada, tendo em vista a aprovação, em dezembro, do "pacote anticrime". Ainda segundo os advogados de Cunha, o excesso de prazo, a falta de atualidade do risco, a violação da presunção de inocência e a falta de fundamentação do decreto prisional seriam motivos suficientes para justificar a concessão da liminar.
    Ao analisar o pedido, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) negou sob o fundamento de que subsistem os motivos que levaram à decretação da prisão preventiva, para preservar não apenas a ordem pública e a aplicação de lei penal, mas também a ordem econômica, considerando o risco de o ex-deputado movimentar valores oriundos dos crimes cometidos caso fosse posto em liberdade.
    "Registro que os impetrantes invocam dispositivos da Lei 13.964/2019. Tal diploma não estava em vigor por ocasião do decreto de prisão ou do julgamento pelo Tribunal Regional Federal. Sua aplicação ao caso concreto não foi apreciada na origem", explicou o presidente do STJ, ministro João Otávio Noronha. / Por: Agência Brasil 
      Comentário do Google+
      Cometários do Facebook

    0 comentários:

    Post a Comment