Delegado diz que acusada de plágio e exercício ilegal da profissão pediu prazo para apresentar titulações


    A conteceu na manhã desta quarta-feira (26), na 9ª delegacia, o depoimento de Cátia Regina Raulino, acusada de plágio e exercício ilegal da profissão. Ela é suspeita de ter lecionado em diversas faculdades sem ter as titulações que foram alegadas no momento da contratação e que constam em plataformas online de currículos. 
    De acordo com o delegado ACM Santos, a acusada confirma que exercia atividades educacionais, mas alega que não existe plágio e diz desconhecer como as informações falsas vinculadas ao seu nome que foram parar nos sites da internet. Um deles foi a plataforma Lattes, um sistema de currículos virtual criado e mantido pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, pelo qual integra as bases de dados curriculares, grupos de pesquisa e instituições em um único sistema de informações, das áreas de Ciência e Tecnologia, atuando no Brasil.
    Cátia também nega ter exercido ilegalmente a profissão de advogada, porém a polícia tem indícios de que essa informação seja falsa. 
    "Ela não apresentou o diploma. Vou esperar que ela me traga. O diploma seria do Maranhão e a OAB seria de Santa Catarina. Ela diz estar tendo dificuldade de encontrar os documentos por causa da pandemia", afirmou o delegado. 
    Cátia Raolino ficou das 9h30 às 12h30 na 9ª Delegacia, na Boca do Rio, e saiu acompanha do advogado e sem falar com a imprensa.   /Por: BNews  

      Comentário do Google+
      Cometários do Facebook

    0 comentários:

    Post a Comment