MP propõe ação contra Sara Winter após divulgação de nome de menina vítima de estupro


    A Promotoria de Infância de Juventude do Ministério Público do Espírito Santo ajuizou ação civil pública contra a ativista Sara Giromini, conhecida como Sara Winter, por ter tido acesso ilegal a detalhes do caso da menina de 10 anos que foi estuprada pelo tio, no Espírito Santo, e por ter divulgado o nome da criança.
    Na segunda-feira (17), Sara usou as redes sociais para dizer que iria processar o médico que fez o aborto da menina e divulgou o nome do hospital onde seria realizado o procedimento.
    Os promotores de Justiça pedem que ela seja condenada a pagar R$ 1,320 milhão por danos morais coletivos.
    "A atitude ilícita teve como consequência uma manifestação em frente ao hospital pernambucano onde foi realizado o procedimento médico, quando a família da criança e os profissionais de saúde foram hostilizados. Essa conduta, conforme a Ação Civil Pública (ACP), está incluída em uma estratégia midiática de viés político-sensacionalista, que expõe a triste condição da criança de apenas 10 anos de idade", disse o MP.  /Por: Reprodução/Instagram  Por: Redação BNews
      Comentário do Google+
      Cometários do Facebook

    0 comentários:

    Post a Comment