Supremo deve permitir privatização de refinarias da Petrobras na próxima quarta-feira


     O Supremo Tribunal Federal (STF) julgará na próxima quarta-feira (30) uma ação que busca impedir a venda de refinarias da Petrobras sem licitação ou aval do Congresso Nacional. 

    De acordo com apuração realizada pelo jornal O Globo, a Corte deve reafirmar o entendimento anteriormente fixado de que as exigências são necessárias apenas para a venda das “empresas-mãe” - no caso, a Petrobras.

    Para privatizar as subsidiárias, entretanto, as exigências não se aplicam.O processo chegou ao Supremo em julho, quando o Senado alertou para uma suposta manobra do governo para conseguir vender fatias das matrizes de estatais sem a necessidade de lei aprovada pelo Congresso, ou de processo licitatório, em uma tentativa de driblar a decisão do STF.

    De acordo com o Senado, a Petrobras anunciou a intenção de vender quatro refinarias. As primeiras seriam Landulpho Alves (RLAM), na Bahia; Abreu e Lima, em Pernambuco; Presidente Getúlio Vargas (Repar), no Paraná; e Alberto Pasqualini (Refap), no Rio Grande do Sul.

    Em seguida viriam Gabriel Passos, em Minas Gerais; Isaac Sabbá (Reman) no Amazonas; Lubrificantes e Derivados de Petróleo do Nordeste (Lubnor), no Ceará; e a Unidade de Industrialização do Xisto (Six). 

    Também segundo o Senado, o modelo da Petrobras prevê a criação de empresas subsidiárias inicialmente, com a posterior transferência de parte dos ativos da empresa matriz para a subsidiária criada.

    Finalmente, venderia, sem o devido processo licitatório e sem autorização do Congresso Nacional, o controle dessa subsidiária aos compradores interessado, por meio de um banco internacional. “A Petrobras pretende vender 100% de sua participação acionária a partir da criação dessas novas empresas”, diz a ação.

    Um ministro ouvido pela publicação afirmou que a Corte não quer dar um recado de que o governo não pode vender nada - mesmo que acabe criando algum tipo de restrição à manobra detectada pelo Senado. Assim, o mais provável é que o tribunal autorize a venda das refinarias sem licitação ou lei específica, desde que seja retirada da negociação fatia da empresa-mãe eventualmente embutida nas refinarias.  /Por: Rovena Rosa/Agência Brasil 

      Comentário do Google+
      Cometários do Facebook

    0 comentários:

    Post a Comment