TJ-BA não reconhece pedido de prisão preventiva contra jurista acusada de plágio e estelionato


     A juíza plantonista Rosineide Almeida de Andrade, do Tribunal de Justiça da Bahia, não reconheceu os pedidos de prisão preventiva e busca e apreensão feitos pela 9ª Delegacia Territorial contra a jurista Cátia Regina Raulino, investigada por plágio e estelionato pelo Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA).

    O próprio órgão estadual se manifestou pela não apreciação da representação, em razão de a solicitação ter sido feita durante plantão judicial, que só aprecia casos de urgência previstos em lei. Para a juíza, “a Autoridade Policial não justificou a impossibilidade de deduzir a pretensão durante o expediente forense normal”.

    Desta forma, a magistrada entendeu que “o caso não possui, em si, qualquer caráter de urgência, sendo forçoso reconhecer que não se trata de questão emergencial idônea a justificar a prestação jurisdicional imediata e extraordinária em plantão judiciário”.

    Por fim, a juíza encaminhou a representação ao juízo competente, extinguindo o processo sem apreciar os pedidos de prisão preventiva e busca e apreensão contra Cátia Raulino. /


    Por: Reprodução/Redes Sociais

      Comentário do Google+
      Cometários do Facebook

    0 comentários:

    Post a Comment