Eleição nos EUA turbina ações de Facebook, Google e Apple


     O fim da expectativa de uma vitória acachapante de Joe Biden na eleição presidencial dos Estados Unidos estimulou as operações com títulos do governo e ações de grandes empresas de tecnologia americanas, já que os investidores decidiram desmontar as operações baseadas na suposição de uma “onda azul”, em referência a cor dos democratas, com a tomada de controle do Congresso e da Casa Branca pelo partido.

    O índice S&P 500 subiu em 2,9% no início das operações em Nova York, puxado pelas ações de tecnologia e não pelas ações sensíveis à situação da economia que eram vistas como propensas a subir caso o cenário da “onda azul” fosse confirmado. O índice composto Nasdaq, que vem superando por larga margem o S&P 500 este ano, subiu em 4%.

    Facebook e Alphabet estiveram entre as empresas mais beneficiadas na tecnologia, com as ações do grupo de mídia social subindo em 8% e as da controladora do Google em 7%. A Apple registrou alta de 4%.

    Os investidores também correram para adquirir títulos do Tesouro americano, já que as expectativas de uma grande onda de gastos com infraestrutura se reduziram. O rendimento sobre o título de 10 anos do Tesouro dos Estados Unidos, a referência do mercado, caiu em 0,13 ponto percentual, para 0,77%, seu maior declínio desde as oscilações do mercado em março. Os rendimentos caem quando os preços dos títulos sobem.

    Pesquisas de opinião haviam levado os investidores a apostar que vitórias decisivas dos democratas resultariam em uma nova rodada de estímulo à economia dos Estados Unidos, abalada pela pandemia. Essas esperanças agora estão desaparecendo.

    [ x ]
    Biden ainda pode conquistar a presidência, em uma disputa inesperadamente apertada, mas o forte desempenho do Partido Republicano em diversos dos estados contestados, e seu controle aparentemente férreo sobre o Senado, levou os administradores de fundos a se prepararem para a perspectiva de que os Estados Unidos fiquem com um governo dividido, o que complicaria as perspectivas de investimento.

    “As transações ‘onda azul’ estão acontecendo desde a metade do ano, e ganharam força recentemente; eu antecipo que agora venham a ser desmontadas”, disse Fabiana Fedeli, vice-presidente mundial de ações fundamentais na administradora de patrimônio Robeco. O estímulo à economia e o percurso da pandemia eram impulsos muito mais significativos para os mercados do que o resultado das eleições em si.

    O rendimento do título de 10 anos do Tesouro americano subiu acima dos 0,9% por um breve momento na noite de terça-feira —sua marca mais alta desde junho—, com a expectativa de que uma grande vitória democrata estimularia os gastos governamentais e possivelmente a inflação. Isso por sua vez deveria pressionar nova baixa nos preços dos títulos de longo prazo, causando uma alta em seu rendimento.

    Mas o rendimento caiu quando os resultados começaram a surgir, refletindo o modo pelo qual dirigentes de fundos foram apanhados de surpresa. “Os mercados precisam estudar seus sistemas atentamente”, disse Didier Saint-Georges, membro do comitê de investimento estratégico do grupo de investimento francês Carmignac. “Agora estamos de volta ao ponto em que estávamos antes das transações ‘onda azul’. De volta aos fundamentos”.

    Jim Leaviss, vice-presidente de investimento em títulos públicos de renda fixa na administradora de fundos M&G, disse que a chance reduzida de que os democratas conquistem o controle do Senado significava que era menos provável que medidas de estímulo generosas surgissem. “Isso significa que, caso a economia dos Estados Unidos volte a se desacelerar —e uma onda de Covid de inverno é provável—, caberá à política monetária oferecer apoio, uma vez mais”.

    O desmonte das transações “onda azul”, que haviam sido estimuladas em alguma medida pelos gastos de US$ 2 trilhões com infraestrutura e energia ecológica prometidos por Biden, causou queda nas ações de potenciais beneficiários no setor de indústria e construção, como a Caterpillar, na quarta-feira. O potencial de um governo dividido também estimulou a alta das ações de empresas de saúde, com as seguradoras Cigna e Anthem registrando altas de mais de 10%, dada a aposta dos investidores em que uma reforma geral do setor agora se tornou improvável.

    O presidente americano Donald Trump injetou mais nervosismo na situação ao prometer que recorreria à Suprema Corte para interromper a contagem de votos e declarar prematuramente sua vitória na disputa pela Casa Branca.

    “Nos próximos dias, as notícias serão muito complicadas”, disse Saint-Georges, da Carmignac.

    Esse tipo de retórica pode estar beneficiando os títulos do governo. “Algumas pessoas estão usando títulos públicos como portos-seguros, como reflexo do risco de uma eleição contestada e com possíveis resultados problemáticos”, disse Toby Nangle, vice-presidente mundial de alocação de ativos da administradora de patrimônio Columbia Threadneedle. “Mas no momento, vejo redução na probabilidade de um estímulo muito substancial”.

    Os mercados europeus também subiram, em geral, na quarta-feira, com o índice Stoxx 600 em alta de 1,4%. Os operadores alertaram que os volumes operados eram baixos, o que poderia resultar em oscilações.  / Por: Reprodução/Internet  Por: Folhapress

      Comentário do Google+
      Cometários do Facebook

    0 comentários:

    Post a Comment