Mulher integrante de suposta quadrilha afirma que filha de Belo e outras garotas eram prostitutas


     A filha do cantor Belo, Isadora Alkimin Vieira, presa no dia 10 deste mês por suspeita de fazer parte de uma quadrilha especializada em praticar golpes, está sendo apontada como garota de programa. A informação da profissão, até então desconhecida, foi dada por um dos policiais  da Delegacia de Combate às Drogas (Dcod) responsáveis pela prisão o grupo.

    De acordo com o Globo, o policial relatou em depoimento que a delegacia recebeu uma denúncia por volta das 10h do dia 10 sobre o funcionamento de uma “espécie de central clandestina de telemarketing” onde da quadrilha atuava. O esquema supostamente acontecia em um apartamento localizado na Avenida Abelardo Bueno, na Barra da Tijuca. 

    Segundo o PM, ao chegar no imóvel na companhia de outros PMs, funcionários do condomínio informaram que moradores já tinham denunciado que as garotas do apartamento apresentavam “comportamentos estranhos”. 

    Os agentes afirmaram que ao chegar no apartamento, ainda do lado de fora, foi possível ouvir mulheres conversando como se estivesse trabalhando em uma central de telemarketing. Ao serem atendidos por uma mulher identificada como Roselaine Oliveira Almeida, de 43 anos, foi informado que todas as meninas eram garotas de programa.

    Ainda de acordo com o Globo, após autorização de Roselaine para entrar no imóvel, policiais vistoriaram quartos e salas e constataram que em todos os cômodos havia mulheres trabalhando em computadores. Logo em seguida, a mulher confirmou o funcionamento do esquema de golpes virtuais.

    Durante uma entrevista, o cantor Belo disse que estava supreso com a prisão da filha e que imaginava que ela estava envolvida com atos ilícitos. "Eu não sabia de absolutamente nada. Falei com ela semana passada por telefone e ainda perguntei de tudo, da faculdade e tal”, revelou.

    Leia também: Presa, filha de Belo afirma que desconhecia trabalhar para golpistas  /Por: Reprodução/ Instagram 

      Comentário do Google+
      Cometários do Facebook

    0 comentários:

    Post a Comment