TSE cria comissão para acompanhar investigação da PF sobre hackers no processo eleitoral


     O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, determinou nesta quinta-feira (19) que fosse criada uma Comissão de Segurança Cibernética com o objetivo de acompanhar as investigações da Polícia Federal (PF) sobre ataques cibernéticos realizados no 1º turno das eleições municipal - bem como outras ações para tentar deslegitimar o processo.

    De acordo com informações da corte, a comissão será presidida pelo ministro Alexandre de Moraes, e também irá elaborar estudos sobre ações de prevenção e enfrentamento de ilícitos decorrentes da ação de hackers.

    A comissão leva em conta que ocorreram “incidentes em sistemas on-line do TSE potencialmente decorrentes de ataques cibernéticos praticados de modo criminoso e mediante ação coordenada de grupo com a finalidade de prejudicar o processo eleitoral”.

    O TSE registrou problemas de lentidão para realizar a totalização dos votos no último domingo (15), e a demora para somar os votos causou atraso na divulgação dos resultados. Na véspera do sufrágio, a corte havia dito que o resultado seria divulgado no máximo cinco horas após o fim da votação.

    Segundo a corte, as investidas cibernéticas contra o TSE registradas não têm relação com o atraso, mas podem ter ocasionado instabilidades no aplicativo e-Título e no sistema de processo judicial eletrônico (PJe).  /Por: Reprodução/Antonio Augusto/Ascom/TSE 

      Comentário do Google+
      Cometários do Facebook

    0 comentários:

    Post a Comment