Enfermeiro é acusado de aplicar golpe de R$ 300 mil em grupo de 20 pessoas; MP-BA é acionado


     Um enfermeiro identificado como Jorge Allan Duarte, de 41 anos, é suspeito de estelionato após aplicar um golpe que resultou em um prejuízo de mais de R$ 300 mil a um grupo de pelo menos 20 pessoas de Salvador e outras cidades. O Ministério Público da Bahia (MP-BA) recebeu em outubro do ano passado três denúncias sobre supostos crimes cometidas por ele.

    Em entrevista a RecordTV Itapoan, uma das vítimas, que preferiu não se identificar, afirmou que investiu R$ 3.400 em uma sociedade com o acusado para revenda de máscaras cirúrgicas, no entanto, após fazer a transferência do valor para ele, o enfermeiro desapareceu.

    "Como eu percebi que o prazo que ele ofertou que era de 20 dias para ter o lucro de R$ 800 em cima de R$ 3.400 eu achei interessante e entrei em acordo com ele. Dois dias depois fiz a transferência para a conta dele. Dentro dos 20 dias, conforme combinado, ele veio com uma desculpa que tinha sido assaltado só que até então ele não tinha apresentado nenhum tipo de boletim de ocorrência e num segundo momento ele falou que a mãe dele precisou fazer uma cirurgia no olho no valor de R$ 18 mil e daí pra cá só foi desculpas", disse a vítima que tinha Jorge como um amigo.

    O homem relatou ainda que desconfiou que havia caído em um golpe após não conseguir mais contato com o enfermeiro. Em buscas feitas nas redes sociais, ele descobriu que mais pessoas também tinham sido vítimas dele.

    "No dia 1º de outubro de 2020 eu mandei mensagem pra ele e liguei só que o telefone dele já não respondia. Fui olhar nas redes sociais e ele não tinha mais Instagram. Quando coloquei o nome dele no Facebook eu vi que uma pessoa tinha postado que ele era golpista. Foi através dessa pessoa que eu descobri um grupo com dez pessoas e hoje esse grupo possui mais de 20 pessoas", afirmou.

    Além do investimento na compra de materiais, Jorge também alugava apartamentos para o período do carnaval em Salvador. Outra vítima, de Recife, perdeu R$ 8 mil após fechar um contrato de um imóvel com o ele. "Pra cada pessoa do grupo ele inventava uma história e fazia uma proposta de investimento diferente. Ele também alugava apartamentos durante o período de Carnaval aqui em Salvador. Tem uma pessoa de Recife no grupo que recebeu o golpe de R$ 8 mil. Ela pagou o valor antecipado pra ele pra garantir o apartamento, mas como o carnaval foi cancelado, ela tentou contato com ele e não conseguiu", acrescentou a vítima. 

    O acusado atuava ainda como coordenador do setor de enfermagem de uma maternidade pública de Salvador e preceptor de estágio do Centro Universitário Estácio. Conforme a instituição de ensino, assim que foi informada da suposta ação de estelionato, no fim de 2020, afastou Jorge Alan das atividades, mas ele não chegou a ser desligado.

    Procurado pela reportagem, o MP-BA, informou através de nota que "foram instaurados procedimentos de notícia de fato e, no último dia 23 de novembro, o promotor de Justiça Elmir Duclerc encaminhou as notícias para a Polícia Civil, requisitando a instauração de inquérito policial, que deverá ser encaminhado ao MP após sua conclusão para adoção das medidas cabíveis".   / Por: Reprodução/RecordTV Itapoan 

      Comentário do Google+
      Cometários do Facebook

    0 comentários:

    Post a Comment